Na Política

Biblia Online

07/04/20 | 10:21h

Temos aprendido a controlar a cada coisa por nós mesmos. Controlamos o sol para aquecer nossas casas, assim como controlamos a temperatura dele através do ar condicionado; controlamos os rios poderosos para produzir eletricidade para as nossas cidades; controlamos satélites, no espaço, para transmitir sinais de comunicação às nações do mundo; nós controlamos tantas doenças através de vacinas e de outros medicamentos e tratamentos, MAS, não aprendemos a controlar a nós mesmos. Com certeza foi por isso que Jesus disse que: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo...” pois, o que existe dentro do homem não lhe permitiria seguir a Cristo no sentido de ser submisso a Ele; o orgulho, a prepotência, a arrogância não deixaria esse homem dar ouvidos a palavra do Senhor, portanto a necessidade de autonegação.

Veja sobre essa doença que estamos enfrentando, o corona vírus. O problema não é a doença, mas a dificuldade do próprio homem em entender, aceitar, concordar uns com os outros. A desobediência, a desconfiança que temos quanto as informações que recebemos é por quê? Porque enxergamos interesses pessoais, particulares naqueles que nos dirigem, ou seja, problema dos homens. O PROBLEMA É O HOMEM. Se o homem tivesse mais humildade e buscasse o interesse do outro, ajudasse de verdade os que dele precisam, essa doença seria debelada com muito mais facilidade, mas o que enxergamos é uma guerra de ego, cada um querendo aparecer mais que o outro e olhando para essa crise como uma oportunidade não de crescimento como ser humano, mas a oportunidade de tirar algum tipo de vantagem em cima da desgraça de outros.

Gaste um tempo para descobrir a fonte da maioria dos problemas que os homens, nessa terra, têm e você encontrará a falta de temperança e falta de autocontrole, além de descobrir a ganância, e o egocentrismo. Ao dizer isso, não estou sendo um pessimista de carteirinha, até porque sou, na verdade, um apaixonado e interessado cada vez mais no ser humano. Entendo como minha missão tentar ajudar, e inclusive ao tentar ser útil aos outros acabo crescendo e tendo a oportunidade de olhar no espelho, ou seja, o meu semelhante, e perceber o quanto preciso crescer, mas não podemos crescer e melhorar se não tivermos coragem de encarar nosso estado atual.

E então, certos problemas que você está enfrentando, não será você a verdadeira causa ou pelo menos não será você mesmo a solução?

Não será hora de mudar, de ter coragem e humildade de reconhecer que errou, de querer ser diferente, de querer ser melhor, tomar as decisões acertadas? Até quando seremos vítimas de nós mesmos?

Pois bem, minha crença é de que o ponto de partida é a tal da humildade em reconhecer que como está não está bom, e então desejar, ardentemente, mudar para melhor. Em segundo lugar, entender que essa mudança só pode acontecer através do milagre do novo nascimento que Jesus falou: “Necessário vos é nascer de novo”, e olha que Ele disse isso a um homem que era extremamente religioso, Nicodemos, mostrando que só a religiosidade não basta, mas sim uma transformação sobrenatural que acontece de dentro pra fora. Já pensou o que seria para um religioso importante como Nicodemos o que significaria nascer de novo? Começar tudo de novo, considerar a possibilidade de que havia entendido tudo errado até então. Quem sabe mudar a ordem de valores que já estava estabelecida dentro de si. Pense no reboliço. Pois é isso que o verdadeiro evangelho veio fazer conosco, um reboliço. Jesus continue abençoando sua vida e que você permita esse reboliço acontecer com você, pode ser doloroso, mas no final das contas você sairá como vencedor. Não seja contra você, seja a favor. Até a próxima oportunidade se Deus disser que sim.

A decisão vem do alto, vamos para o alto... ilustração sobre o rato no avião...

 

*Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

30/03/20 | 14:18h

Se tivéssemos poder ilimitado, numa visão humana seríamos super-heróis, numa visão religiosa seriamos deuses, mas não somos nem uma coisa nem outra, somos seres humanos, portanto, com limitações. E é exatamente quando atingimos os nossos limites que temos a possibilidade do sobrenatural se manifestar através da Fé, “O que é impossível para o ser humano é possível para Deus” (Lucas 18:27). Pois bem, estamos vivendo um momento que nos deparamos com os nossos limites. É terrível percebermos a nossa impotência diante de certas situações, mas estamos diante dela, a impotência. Não conseguimos proteger a nós mesmos e aos nossos entes queridos, além de um certo limite. Higienizar as mãos, nos afastarmos dos mais idosos ou dos que tem imunidade baixa por conta de algum quadro de saúde, isolamento social, mas, ainda assim, nos sentimos impotentes diante do inimigo invisível chamado corona vírus. Então, esse é o momento que atingimos a linha limítrofe das nossas forças e possibilidades, hora certa e perfeita para confiarmos Naquele que pode todas as coisas, aliás, o apóstolo Paulo já dizia ao escrever aos Filipenses no capítulo 4, versículo 13, “Tudo posso naquele que me fortalece”; interessante entender que quando ele diz isso, ao contrário do que muitos interpretam, ele não está dizendo que pode alcançar todas as bênçãos e vitórias, mas ele está dizendo que pode suportar todas as tribulações, pois é a isso que ele se refere no versículo anterior, quer dizer, em Jesus podemos enfrentar todas as adversidades, inclusive aquelas que fogem ao nosso controle, aquelas que batem na tampa da nossa experiência, sabedoria, estudos, conhecimentos. Essas tribulações devem nos levar ao reconhecimento da nossa fragilidade e ao mesmo tempo ao reconhecimento da onipotência do nosso Deus. Esse é o tempo, também, de análise e autoanálise, veja quantas vezes reclamamos que certas coisas não podíamos fazer por falta de tempo, pois agora temos tempo, ainda que não seja da forma como gostaríamos, mas temos. Usemos então esse momento para perceber o que não vínhamos fazendo por nós mesmos e agora podemos fazer, colocar nossa leitura em ordem, olhar para dentro de nós e encontrar lixos que precisam ser jogados fora, dar passos fundamentais para a realização dos nossos sonhos; ao mesmo tempo podemos olhar para os que sempre estiveram ao nosso redor e não dávamos conta do quanto são importantes em nossa vida, o quanto precisam do nosso apoio e validação. Paradoxalmente, nesse momento de isolamento, talvez seja a maior oportunidade de aproximação. Voltando a falar sobre nossa impotência e mais uma vez lembrando o apóstolo Paulo, ele diz que: “...quando sou fraco, então é que sou forte”, sabe por que ele disse isso? Porque quando nos deparamos com nossa fraqueza nos encontramos também com a força que vem de Deus. Pode ser que você esteja vivendo um momento de sentimento de impotência, não apenas por esse momento de enfrentamento do corona vírus, mas quem sabe por conta de outras situações que há muito tempo desafiam a sua vida e a sua fé, pois, saiba que você não está sozinho, a promessa do Senhor Jesus é de que estaria conosco todos os dias até a consumação dos séculos, isso quer dizer que Ele estaria conosco nos dias bons e nos dias ruins. Continue confiando no Senhor Jesus, Ele é o nosso socorro bem presente em tempos de angústia. Um abraço (modo de dizer) a todos, estaremos juntos na próxima, se Deus disser que sim.

 

*Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

11/03/20 | 04:53h

É impressionante como um gesto pode mudar muita coisa em nossa vida: mudar pessoas, mudar o humor, mudar a disposição, mudar situações. Um simples gesto pode mudar um casamento, pode mudar o relacionamento com os filhos. Um gesto pode também dar início ou acabar com uma guerra, e a história nos mostra isso claramente. Existem gestos tão importantes que se tornam, inclusive, símbolos de uma ideologia.

Mas, ao mesmo tempo, é impressionante a resistência que muitas vezes temos para praticar tais gestos, mesmo sabendo que eles mudariam situações. Talvez isso aconteça por causa do orgulho de muitas pessoas que não querem dar o braço a torcer; ou por causa do medo, medo de não ser correspondido, medo de ser mal interpretado; ou ainda, por causa da mágoa, pois de repente o ferimento no coração é tão grande que a pessoa se sente incapaz de ir em direção a outra e ter um gesto de carinho, de reconciliação. Um gesto pode demonstrar o valor que o outro tem para nós, e como isso é importante. Veja que não estou falando de bajulação; isso é prejudicial, é mentiroso. Estou falando daquela atitude de realmente declararmos, através dos gestos, a importância que o outro tem em nossa vida.

No evangelho de João, capitulo 12, há o relato de uma ocasião em que Jesus estava na casa de Lázaro; aliás, era um momento difícil em Sua vida, já que a perseguição havia aumentado por parte dos religiosos para com Ele, e isso por conta do milagre da ressurreição de Lázaro, pois começaram a perceber que Jesus estava tendo muito mais seguidores. Assim, Jesus procurou ter um momento de aconchego na casa de Lázaro. Enquanto estavam jantando, Maria, irmã de Lázaro, chegou e derramou um perfume precioso em Jesus. Judas a repreendeu, dizendo que teria sido melhor vender o perfume e com o dinheiro ajudar os pobres (na verdade sua intenção era ter o dinheiro em suas mãos para que pudesse roubar). Mas Jesus disse: “Deixe que ela faça isso; na verdade está preparando o meu corpo para a sepultura”. Ou seja, Jesus aceitou aquele gesto, como se dissesse que precisava daquilo. E quem não precisa?

Esperamos esse gesto de valorização da nossa família, do cônjuge, dos amigos, dos colegas no trabalho, e quando isso não vem, ficamos tristes. Porém, é importante lembrar que devemos fazer aquilo que queremos que também nos façam. Será que temos nos lembrado de termos gestos de valorização para com aqueles que nos são caros e importantes? Temos nos lembrado de abraçar e até de presentearmos? E por que não? Nossa! Como é tremendo o estender de uma mão em certas situações. Como é poderoso um abraço em alguém que estava quase se tornando um inimigo. Como é transformador um pai chegar para buscar seu filho no colégio ou ainda assistir o seu joguinho de futebol. Mas ainda há tempo para isso. Veja o que o Espírito Santo está falando a você agora e coloque em prática. Pode ser que um simples gesto de valorização acabe com o semblante sisudo daquela pessoa. Pode ser que um simples beijinho acompanhado de um sorriso desarmado mude tudo pra melhor em um relacionamento.

Acredito que se tivermos uma vida mais leve, se conseguirmos viver sem tantos receios, e dermos um pouco mais de vazão aos anseios do nosso coração, conseguiremos fazer do ambiente em que vivemos um lugar muito melhor e as pessoas que nos cercam e nos são tão especiais serão também mais felizes.
Um abraço e até a próxima se Deus disser que sim.

 

 

*Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

02/03/20 | 05:30h

Todos nós sabemos o quanto é importante uma tomada de decisão em nossa vida. Tanto que, se analisarmos os problemas que enfrentamos, a maioria deles é oriunda de decisões erradas ou até mesmo de nossa omissão. Da mesma forma, o sucesso que estivermos vivendo foi gerado nas decisões acertadas que tomamos em um determinado momento. Mas o que não podemos esquecer é que as decisões são, na verdade, reflexo do que realmente somos. Portanto, se não decidirmos primeiro quem somos, então, qualquer decisão que tomarmos não será consistente, pois não será produto do nosso interior, do nosso caráter, da nossa personalidade. Por exemplo: uma pessoa covarde não toma decisões corajosas. Quem você é? Quem você decide ser?


Muitas pessoas são aquilo que os outros dizem que elas são. Infelizmente, isso é mais comum do que se possa imaginar: há pessoas que não estão casadas por sua própria decisão, não estão fazendo o curso que de fato escolheram, não estão vivendo como decidiram, mas são o que os outros decidiram por elas. Conheço pessoas que não conseguem se libertar de palavras malditas que lhes foram lançadas, não conseguem esquecer o que lhes foi dito há tempos atrás, e isso acabou por fazer aquelas pessoas se tornarem o que os outros tanto disseram.

Existem também aquelas pessoas, cujas marcas da vida, ou marcas de um determinado episódio da vida decidiram quem elas são, ou seja, por conta de um fato infeliz, quem sabe por causa de uma falha cometida, elas se permitiram ser marcadas para sempre, não decidiram ser diferentes, não decidiram dar a volta por cima, mas aceitaram que as marcas decidissem por elas.

Há, ainda, aqueles que só se decidem pelas conveniências, isto é, pelo que for mais fácil, pelo que não dê trabalho, ou não ofereça riscos. É assim que tais pessoas farão uma escolha, tomarão uma decisão.

Eu gostaria, portanto, de lhe chamar para essa reflexão: “Quem eu decido ser?”. É possível que você esteja, agora, questionando: “Ei, como assim? O que eu decido ser? Sou o que sou”. Bem, a Bíblia Sagrada diz que essa decisão é necessária. Veja bem: a mais importante decisão que uma pessoa deve tomar em sua vida, na visão cristã, é essa: “Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus” (Evangelho de João, capítulo 1, versículo 12). Isso quer dizer que uma pessoa pode se decidir em ser filho de Deus, quando toma a decisão de receber, de aceitar Jesus Cristo como seu Senhor e seu Salvador. Então, você DECIDE quem você quer ser para Deus. Em Provérbios, capítulo 23, versículo 7, está escrito que “assim como o homem imagina em sua alma, assim ele é”. Você não é o que os outros decidem que você seja; você não é o que as marcas dessa vida determinam; você não é o que as conveniências lhe apontam; mas você é o que você DECIDE ser.
Um forte abraço, e até a próxima, se você decidir ler o próximo artigo meu, e se Deus disser que sim.

 

 

*Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

 

17/02/20 | 06:40h

Todos nós passamos por dores e há dores pelas quais não temos como deixar de passar. A mulher grávida, por exemplo, não tem como evitar a dor de parto e, mesmo que conte com todo o aparato da medicina moderna, que lhe proporciona medicamentos para evitar o sofrimento, ainda assim, alguma dor irá sentir como a dor das contrações e a dor do pós-operatório. Também em relação a outros tipos de cirurgias e a depender do seu tipo, a dor pode ser mais ou menos intensa, mas sempre existirá.


Da mesma forma acontece em outras áreas da vida: passamos por situações em que as dores são inevitáveis. Lembro-me de um colega que precisava fazer um tratamento dentário, mas que tinha muito medo disso (como eu também tenho). Ele pertencia àquela geração que só ia ao dentista quando a situação era crítica, embora vivesse reclamando de dor. Num certo dia ele criou coragem (confesso que eu o incentivei bastante) e foi ao dentista. Fez o tratamento necessário, embora um pouco dolorido, mas venceu aquela situação. Mais tarde, quando falava do assunto, dizia que, se soubesse que seria tão bom experimentar o alívio que estava sentindo, não teria demorado tanto para fazer aquele tratamento. Mas por que demorou tanto? Porque estava querendo evitar a dor.


Você sabe que existem pessoas que se casam e depois pensam em separação por conta das lutas e, às vezes, até mesmo por causa de dores no casamento, pois não sabem que essas dores são inevitáveis? O apóstolo Paulo, em certa ocasião, foi bastante mal interpretado por defender (em alguns casos) a solteirice para aqueles que se dedicam ao serviço do reino de Deus. Ele justificou que havia falado aquilo com a intenção de que tais pessoas evitassem o sofrimento, ou seja, no seu entendimento, o casamento, por melhor que seja, traria para eles, inevitavelmente, alguns sofrimentos.


Muitas vezes já vi pessoas enfrentando problemas e que a única maneira de se livrar deles era exatamente tomando certas atitudes que os levariam a passar por algum tipo de dor. Porém, essas pessoas, querendo evitar a dor, acabam levando o problema adiante até transformá-lo em seu objeto de estimação. Sofrem um pouco a cada dia e para sempre, quando poderiam passar por uma dor maior, mas que seria de uma vez só e depois estariam liberadas para viver de forma aliviada. É claro que, quando falo sobre isso, me refiro a decisões certas, coerentes, orientadas por Deus na nossa vida, mesmo dolorosas, mas, ainda assim, necessárias.


Convido você a pensar e repensar: será que não está vivendo um momento em que precisa tomar uma decisão, porém sabe que será dolorosa e, por isso mesmo, não a toma, embora esteja esperando mudança? Desculpe-me se lhe frustro, mas a mudança não virá enquanto você não tiver a coragem de fazer o que tem de fazer, mesmo que venha a doer. Talvez esta seja a grande diferença das pessoas mais maduras nessa vida, pessoas que, a despeito da dor que vão enfrentar, tomam a decisão correta, entendendo que decisões são como plantio que fazemos, e que, com certeza, trará frutos.


É isso. Um forte abraço e até a próxima, se Deus disser que sim.


Ah, se de alguma forma essas palavras foram interessantes pra você, nos dê um feedback endereçado a luantosilva@msn.com.

 

*Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

14/02/20 | 06:36h

Cada um de nós está numa fase diferente da vida. Uns estão vivendo momentos de crescimento; outros estão vivendo um momento mais estabilizado; outros, talvez, estejam vivendo momentos de mudanças, e assim caminha a humanidade... Mas uma coisa é certa: seja qual for o momento em que esteja vivendo, você deverá enfrentar pressões. Essas pressões acontecem, geralmente, para lhe intimidar quanto às mudanças.

Quando você toma, por exemplo, a decisão de mudar seus hábitos financeiros, os quais podem estar lhe levando a uma montanha de dívidas e, consequentemente, a muitas preocupações, eis que, de repente, você é tentado por frases do consumismo, tais como: “Ah! Você merece. Você trabalha tanto, e uma dívida a mais ou menos não vai fazer diferença”. Pronto! Lá vai você fazer dívidas novamente, porque não aguentou as pressões. Da mesma forma, quando você toma a decisão de deixar um relacionamento que só tem lhe trazido infelicidade (e está certo disso), então, de repente, chega um buquê de flores daquela pessoa e você já muda de ideia. Sabe por que temos essa dificuldade toda? Porque levar decisões adiante traz sofrimento, e isso é uma coisa que ninguém gosta e quer evitar a todo custo. Saiba, porém, de uma coisa: querendo ou não, você vai sofrer, seja de um jeito ou de outro. Cabe a você escolher se quer sofrer pela continuidade do problema (e então não haverá expectativa de acabar), ou se quer sofrer pela decisão acertada, sabendo que esse sofrimento logo vai passar por ter feito a escolha certa.

O apóstolo Paulo, quando escreve aos Filipenses, no capitulo 3, dos versos 10 em diante, fala sobre estar disposto a enfrentar os sofrimentos tal como Cristo, pois, como queria passar pela vitória da ressurreição com Cristo, então deveria enfrentar também os sofrimentos. Ou seja, ele demonstra uma consciência clara de que existem sofrimentos nas tomadas de decisão, mas são sofrimentos que tem prazo de duração, ao contrário dos sofrimentos causados por estarmos estacionados diante de uma situação, sofrimentos estes que serão permanentes.

Paulo também diz nessa mesma carta, porém, no capítulo 4, no verso 13: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”. Muitos interpretam esse versículo como uma afirmação de que se pode ter tudo, mas, na verdade, ele está querendo dizer que em Cristo podemos tudo, inclusive podemos não ter nada, e, ainda assim, suportar as pressões.

Talvez você esteja dizendo: “Eu quero muito acertar, mas não consigo”. Bem, quero lhe dizer uma coisa: apenas QUERER não resolve; para termos vitória, precisamos de atitudes e não de desejos. Persevere nas mudanças que já começaram na sua vida, não desista, não fraqueje, pois o Senhor é a sua força.

Um forte abraço e até a próxima, se Deus disser que sim.

 

 *Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

26/10/19 | 14:08h

Lembro-me que, quando eu era adolescente, ficava olhando alguns meninos da minha idade passeando de Mobyletti ou de Garelli (quem é desse tempo sabe do que estou falando), ou seja, motonetas que eram moda na época e com as quais eu ficava sonhando. Hoje eu tenho carro próprio, mas, às vezes, me pego olhando para outros veículos e continuo sonhando (agora com os carros). Lembro-me que uma vez eu estava com uma equipe de músicos saindo de uma igreja – onde havia realizado um culto muito abençoado – e estávamos indo para outra igreja. Parei num semáforo ao lado de um carro muito bonito e comentei: “Nossa! Que carro bonito!” Então, um dos músicos disse assim: “Bonito é esse em que nós estamos”. Na verdade, aquilo foi como uma tapa com luva de pelica, ou seja, eu já estava num carro muito bom e estava admirando o outro.

 

Parece que nós estamos sempre insatisfeitos. Deixamos de olhar, reconhecer e, até mesmo, agradecer pelo que temos, e sempre olhamos para outra coisa que não temos. Na verdade, acho que devemos sempre sonhar com coisas melhores, mas isso não nos dá o direito de sermos insatisfeitos com o que temos. Deveria ser mais ou menos assim: “Meu Deus, muito obrigado por tudo o que tens feito e por tudo o que tens me dado. Agradeço pelos teus cuidados na minha vida e pelo favor que tens tido para comigo, mesmo sem eu merecer. E, como sei que o Senhor é um Deus de bondade infinita, ousadamente quero lhe dizer que ainda quero mais. Amém!”.

 

Acho que aí fica de bom tamanho, porque estaremos agradecendo, sinceramente, pelo que temos e, ao mesmo tempo, reconhecendo que Deus pode nos dar muito mais. Porém, se ficarmos insatisfeitos com o que temos, iremos murmurar e reclamar de tudo, o que, com certeza, trará tristeza ao coração do nosso Deus que tudo faz por nós. Aconselho você a que comece a fazer uma lista de tudo que tem, e de tudo de bom que acontece em sua vida. Possivelmente ficará abismado com a bondade de Deus para com você. O apóstolo Paulo disse que havia aprendido a viver em todas as situações, tanto na escassez como na fartura. Que seja assim conosco também e que saibamos viver em todas as situações.

 

Já ouvimos tanto sobre crise nesses últimos dias, mas pare para pensar se tem lhe faltado o suficiente. Deus não tem cuidado de você? Quando você menos espera, uma porta não tem sido aberta? Quantas vezes você já esteve diante de situações que pareciam não ter saída? Mas Deus cuidou de você, e o socorro veio de onde você menos esperava. Não sei como está sua vida nesse momento, e nem o quanto essa tal crise já afetou suas finanças, seu ânimo, sua família. Mas, com certeza, as palavras de Davi sempre poderão ser repetidas por todos aqueles que crêem: “Já fui moço, hoje sou velho, mas, nunca vi um justo mendigar o pão”.

 

Pare de falar em crise e lembre-se: uma das mais terríveis crises que o povo hebreu enfrentou, foi a de peregrinar por quarenta anos no deserto rumo à terra prometida. Porém não encontramos em outro lugar da Bíblia Sagrada tantos milagres de prosperidade e livramento. Não fale em crise, fale em fé; não fale do tamanho dos problemas, fale do tamanho do seu Deus. Não fique insatisfeito com o que tem, mas agradeça por tudo, mesmo pelas coisas mais simples. E outras que você nem imagina, Deus vai te dar.

 

Um forte abraço e até a próxima oportunidade se Deus disser que sim.

 

 *Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h45 e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

14/03/17 | 14:49h

Essa é uma das palavras que mais ouvimos nos dias de hoje. Avaliação de desempenho, avaliação de resultados, avaliação formativa, avaliação física, avaliação psicológica. Entretanto, o interessante é perceber que mais uma vez (como sempre) a Bíblia Sagrada saiu na frente, pois, em diversos momentos, encontramos ali a orientação de que devemos observar o modo como estamos vivendo. Geralmente encontramos palavras como: observe, veja como está vivendo, considere suas atitudes, e por aí vai. Veja esse versículo, por exemplo:

 

Agora, assim diz o Senhor dos Exércitos: "Vejam aonde os seus caminhos os levaram. Vocês têm plantado muito, e colhido pouco. Vocês comem, mas não se fartam. Bebem, mas não se satisfazem. Vestem-se, mas não se aquecem. Aquele que recebe salário, recebe-o para colocá-lo numa bolsa furada". Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Vejam aonde os seus caminhos os levaram!”Ageu 1:5-7.

 

Neste texto, o profeta Ageu está chamando o povo a uma reflexão. Acredito que isso é o que tem faltado a muitas pessoas. Vejo muitos reclamando da vida como se não fossem responsáveis por nada do que lhes acontece, outros preferem atribuir o que deu certo à sorte, e há quem atribua o que deu errado ao azar.

 

E você? Como suas atitudes e suas decisões entram nisso tudo? Acredito que é muito importante parar para pensar o porquê das coisas estarem dando erradas. Por exemplo: há pessoas que repetem as decisões e escolhas erradas, e ficam esperando que as coisas mudem. Precisamos aprender com a vida, com os acertos e com os erros, mas somente aprenderemos de verdade se tivermos a coragem de nos avaliarmos. Como diz a Bíblia, observe aonde você chegou e depois volte pelo caminho para saber o que fez de errado para chegar nessa situação. Só assim você poderá consertá-la.

 

No caso do versículo citado acima, o Senhor Deus estava questionando o seu povo por estar preocupado apenas em cuidar de suas próprias casas e não tinham mais nenhuma preocupação em continuar com a construção do templo e, como consequência disso, suas vidas não iam para frente. Por isso, Deus convidava as pessoas a pensar no resultado de suas escolhas. Sim, é isso mesmo. O que você está vivendo hoje é resultado de suas escolhas. Quer ter uma vida melhor? Avalie suas escolhas e as faça diferentes da próxima vez. Para lhe ajudar nessa reflexão, cito aqui alguns motivos pelos quais as coisas podem não estarem dando certo na sua vida.

 

Primeiro, a falta de atitudes ou atitudes erradas. Se você embarcou nessa de “deixa a vida me levar, vida leva eu”, então está lhe faltando atitude, e a vida é preciosa demais para a deixarmos solta ao vento. Se você tem tomado repetidamente atitudes erradas, os resultados desastrosos vão continuar aparecendo.

 

Segundo, a indiferença à voz de Deus na sua vida, pois estará simplesmente desprezando a orientação daquele que criou os céus, a terra, você mesmo, e tudo que existe. E olha que Ele fala com você talvez mais do que perceba.

 

Terceiro, as interferências de um mundo espiritual negativo. Saiba que existem pessoas que se dispõem a viver para fazer o mal aos outros. Talvez você pergunte: “E isso pega?” Pois lhe respondo assim: toda casa desocupada pode ser invadida a qualquer momento. Portanto, se apegue com Deus e tenha sua vida debaixo da proteção e orientação d’Ele.

 

Um forte abraço e até a próxima, se Deus disser que sim.

 

 *Luiz Antonio da Silva, ministro do Evangelho, é pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro Jardins, em Aracaju, e Supervisor da igreja no Estado de Sergipe. Possui formação acadêmica em Teologia e graduação em Psicanálise Clínica, com pós-graduação em Teoria Psicanalítica. Também é graduado em Administração, com ênfase em Recursos Humanos e pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas. Apresentador do Programa Pense e Repense, de segunda à sexta, na TV Aperipê às 8h e na Rádio Aperipê FM e AM às 12h30, e do Programa No Caminho no www.youtube.com/c/pastorluizantoniodasilva. Colunista no Jornal Correio de Sergipe e no Portal NaPolítica. Contato: luantosilva@msn.com

 

`

saiba mais




07-04-2020
 

 

 

Resultados - Eleições 2016

 

Setransp

 

Setransp

 

Setransp

 

 

Parceiros
TPM

 

 

Fazer o Bem

 

Ciclo Urbano

 

Adjor

 

Sindjor

 

 

Twitter