Na Política

Biblia Online

Tamanho da letra

03/12 | 10:49h

Quer funcionários pedalando e felizes na sua empresa? Seja bem-vindo! (Parte 1)

Não é mais novidade que as bicicletas já são uma constante nas cidades e cada vez mais pessoas começam a ir para o trabalho de bicicleta por não aguentam mais o caos do transito e perder tempo nos engarrafamentos. Esta nova realidade que veio para ficar se tornou um “problema” positivo para empresários, instituições públicas e organizações que se preocupam com os seus colaboradores e buscam oferecer mais qualidade e bem estar dentro e fora do ambiente de trabalho.

 

O que pode ser mais animador é que para implantar uma frota de bicicletas na sua empresa não é um investimento alto, mas necessitará de um planejamento e uma política de gestão estratégica eficaz de médio a longo prazo. Antes de convencer seu chefe, ou se você for o patrão, é necessário o esclarecimento de dois pontos importantes para que possa entender melhor sobre esse assunto.

 

O primeiro ponto é O que é Frota de Bicicletas? Frota de bicicletas é simplesmente um conjunto de bicicletas que podem ser adquiridas ou mantidas pela sua organização para o uso de um determinado público. Elas podem ser adquiridas pela empresa ou disponibilizadas por meio de comodato, onde tanto a organização como o colaborador têm responsabilidades de conservação e uso da bicicleta no seu dia-a-dia. Caso os seus colaboradores já possuam as suas bicicletas um plano de manutenção mensal ou de descontos com algum lojista da região pode ser uma boa alternativa para manter as bicicletas em perfeita condição de uso.

 

O segundo ponto é Por que criar uma Frota? Para esse ponto apresento três bons motivos:

1- Bicicletas são consideradas os mais eficientes e eficazes meios de transporte urbano. Estudos como o Desafio Intermodal Aracaju realizado nos últimos cinco anos mostra que a bicicleta é o meio de transporte mais eficiente e eficaz em horários de pico do trânsito de Aracaju*
2- Os colaboradores ficarão motivados e espalhará esse entusiasmo para os colegas de trabalho. Isso pode ser comprovado em empresas que já adotaram esse serviço e o cuidado com a frota e com os espaços destinados para esse serviço (bicicletário, vestiário e armários) são notórios.
3- “Sem querer” a sua empresa passará uma mensagem a sociedade e aos seus clientes sobre a iniciativa, com a promoção da saúde dos seus colaboradores e a responsabilidade social e ambiental através do compromisso com a cidade e com um trânsito melhor para todos, além de estimular meios de locomoção sustentáveis.

 

Depois de apresentar esses pontos é necessário que o colaborador ou o empresário faça três perguntas básicas.
1- Por que minha organização precisa disso?
2- Quem vai usar as bicicletas?
3- Para que as bicicletas serão usadas?

 

Respondidas essas perguntas e analisando um cenário positivo e animador é hora de debater com todos a viabilidade de execução deste serviço. Sabe-se que várias justificativas serão colocadas como barreiras para a não implantação deste serviço, mas para que exista sucesso é necessário que desde a equipe de apoio até a alta administração estejam conscientes em vencer as resistências.

 

Algumas resistências pessoais são comuns, a exemplo de: ausência de segurança, falta de interesse em buscar novas formas de deslocamento, falta de preparo físico, ausência de infraestrutura cicloviária em todo o percurso e calor constante e sol muito forte aliado a falta de arborização. Além das resistências pessoais é necessário listar algumas resistências institucionais: Falta de recursos e falta de vontade em alocar orçamento para o projeto, ausência de estudos que justifiquem a demanda ou uso atual de bicicletas pelos colaboradores, falta de espaço para construção de bicicletários, vestiários ou estrutura mínima de segurança e estacionamento das bicicletas e preocupações com cobertura de seguro ou responsabilidades legais por danos e acidentes.

 

Este primeiro texto tem o objetivo de instigar o leitor e apresentar as principais dificuldades em executar este projeto, no segundo apresentarei caminhos de como vencer esses desafios e fazer com que a sua empresa possa oferecer uma nova forma de locomoção aos seus colaboradores e estabelecer uma imagem positiva aos atuais e futuros clientes que buscam responsabilidade social e ambiental naquilo que consomem.

* Para saber mais sobre o Desafio Intermodal acesse: www.ciclourbano.org.br

 

Referência Bibliográfica:

ATIVO. Transporte. De Bicicleta para o Trabalho. Rio de Janeiro. 2013. www.ta.org.br.
ATIVO. Transporte. Bicicleta na Empresa. Rio de Janeiro. 2013. www.ta.org.br.
URBANO. Ciclo. Desafio Intermodal Aracaju. Aracaju-SE 2013. www.ciclourbano.org.br.
Council. Cardiff. A Guide to setting up a bike poll. Londres. 2010.

 

Waldson Costa - Licenciado em Geografia e curioso por natureza, Waldson Costa é educador, cicloativista e membro da Organização Ciclo Urbano. Ele atua na área de educação ambiental e mobilidade urbana por bicicleta a 6 anos. E é colunista NaPolítica sobre Vida Urbana.




20-11-2017
 

 

 

Resultados - Eleições 2016

 

Setransp

 

 

Parceiros
TPM

 

Tudo Salvo

 

 

Fazer o Bem

 

Ciclo Urbano

 

Adjor

 

Sindjor

 

 

Twitter