Na Política

Biblia Online

18/02/21 | 21:12h (BSB)

Linhagens mais preocupantes da Covid-19 ainda não circulam em SE

Ampliar Foto

Foto: SES

O Laboratório Central de Sergipe (Lacen) tem feito uma enérgica vigilância laboratorial para detectar no Estado a presença e circulação das três variantes do novo coronavírus de interesse mundial, dentre as mais de 800 descobertas. São elas a P1, de origem brasileira, a B.1.1.7., do Reino Unido e a 501.V2, da África do Sul, que têm a capacidade de se espalhar com mais facilidade do que outras versões do vírus. A vigilância laboratorial mostra que nenhuma das três linhagens que causam grande preocupação aos cientistas no mundo inteiro foi identificada em Sergipe, mas revelou que no Estado circulam oito linhagens diferentes do novo coronavírus.

A circulação de várias linhagens do vírus em época de pandemia é comum, especialmente, quando se trata de um vírus respiratório, segundo avalia o superintendente do Lacen, o farmacêutico bioquímico Cliomar Alves, informando que a vigilância laboratorial é feita a partir da parceria com os laboratórios de referência nacional Fiocruz, no Rio de Janeiro e o Lacen, da Bahia. “Enviamos um mínimo de três amostras por semana para os laboratórios fazerem a investigação de novas variantes em circulação, a partir do sequenciamento genético do vírus”, disse.

A seleção das amostras segue critérios como ter carga viral alta, ter o portador do vírus estado em área onde circulam as variantes de interesse, a exemplo de João Pessoa, Manaus, Rio, São Paulo, Inglaterra e África e ser contactante de pessoas que adquiriram o vírus e estiveram nas áreas de risco destas novas linhagens. Os critérios servem também para os casos de óbitos, segundo informou o superintendente.

O bioquímico ainda ressaltou que, mesmo sem a presença de variantes de interesse do novo coronavírus no Estado, a vigilância laboratorial é importante para detectar uma possível transmissão comunitária de novas linhagens, aferir a imunidade de rebanho, sua importância para vacina e ainda identificar pessoas contaminadas mais de uma vez por diferentes cepas, tratando-se, neste caso, de reinfecção.

“Conhecer o cenário epidemiológico e o comportamento do vírus nos dá os parâmetros e a base pra gente planejar e montar toda a estrutura da assistência e cuidado ao paciente porque sabendo que há mais de uma linhagem circulando no Estado. Temos a ciência da possibilidade de reinfecções”, enfatizou o superintendente, acrescentando que a vigilância laboratorial exige permanente interação com as Vigilâncias Epidemiológicas do Estado e dos municípios para a identificação dos pacientes que podem ser submetidos à investigação das variantes.

Exames

Foram mais de 210 mil exames para a Covid-19 realizados pelo Lacen desde o início da pandemia até esta quarta-feira, 17. Um salto quantitativo inimaginável até março do ano passado, considerando que o Laboratório Central realizava até então 25 exames de investigação de vírus respiratórios por mês. Na crise sanitária pulou para 25 mil exames mensais. Foi preciso se reestruturar, se expandir para atender a demanda e a expectativa da sociedade.

“A reestruturação foi ampla e total, da contratação de recursos humanos ao aumento de carga horária (o laboratório passou a funcionar 24 horas) e a aquisição de insumos, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), máquinas e kits. Foi um empreendimento hercúleo, uma logística gigantesca que precisou do esforço conjunto da Fundação Parreira Hortas, Secretaria de Estado da Saúde e governo do Estado, evidenciando a importância do laboratório Central para a saúde pública no Estado, observou.

Da SES



07-03-2021
 

 

 

Resultados - Eleições

 

Setransp

 

Setransp

 

Setransp

 

 

Parceiros
TPM

 

 

Fazer o Bem

 

Ciclo Urbano

 

Adjor

 

Sindjor

 

 

Twitter