Na Política

Biblia Online

13/03/18 | 05:13h (BSB)

História de Marcelo Déda é celebrada

Ao inaugurar o Monumento Marcelo Déda, o governador Jackson Barreto ouviu de Eliane Aquino, viúva do ex-governador, um agradecimento especial. Ela ressaltou que a execução da obra só foi possível por conta do compromisso de Jackson Barreto em preservar a memória de Déda.

“Jackson Barreto é um amigo irmão que abraçou o projeto e convocou o Instituto Banese para executá-lo”, afirmou a vice-prefeita de Aracaju ao agradecer emocionada ao governador.

O Monumento Marcelo Déda está cravado no Parque da Sementeira, entre as árvores plantadas por ele e Eliane Aquino. A construção do monumento foi feita pelo governo do Estado e pelo Instituto Banese. O Instituto Marcelo Déda colaborou com a logística para implantação do projeto.

A solenidade contou com a presença dos cinco filhos do ex-governador, da sua mãe Zilda Déda, irmãs, do senador Humberto Costa (PE), do ex-governador da Bahia Jacques Wagner, da primeira dama do Acre,Cândida Viana, do vice-governador Belivaldo Chagas.

A data foi escolhida especialmente por ser o dia do 58º aniversário de nascimento de Marcelo Déda, caso ele ainda estivesse vivo. A solenidade foi aberta com uma apresentação da Orquestra Jovem de Sergipe, que executou "Sonho Impossível", música preferida de Déda de autoria de Chico Buarque. A inauguração também marca a abertura da programação oficial das comemorações dos 163 anos de Aracaju, que ocorrerá no dia 17 de março.

Jackson Barreto afirmou que o Monumento Marcelo Déda servirá para as futuras gerações, ao visitarem a Sementeira, terem a oportunidade de conhecer um pouco da vida de um homem público que foi uma grande expressão nacional. “Um homem que muito fez pelo nosso estado, muito fez pela nossa cidade e que marcou a sua vida de forma muito efetiva em defesa da liberdade, da democracia, dos princípios da ética, que é muito importante”, acentuou.

O governador também disse que a homenagem marca a passagem dos 58 anos de Marcelo Déda, caso ele ainda estivesse vivo. “Como seu amigo, amigo de Eliane Aquino e de sua família, eu fui convocado para dar minha contribuição para a realização desse evento. Aqui está o monumento pronto. Graças a Deus, buscamos as condições para deixá-lo pronto na data de seu aniversário”, ressaltou.

Jackson Barreto destacou ainda a importância política de Marcelo Déda para Sergipe e para o Brasil. “Ele seria o grande nome nacional do seu partido para a eleição presidencial, não apenas por conta da sua inteligência e competência, mas pelo seu compromisso com a democracia, a liberdade e, acima de tudo, com a ética na vida pública que foi a grande marca de Marcelo Déda. Não foi só uma homenagem por fazer um monumento, mas um hino de amor e lealdade a um amigo”, disse.

“Neste dia de homenagem, não tenho a menor dúvida de que ele está por aqui”, finalizou ao dizer que o momento é para entoar a música de Milton Nascimento, Canção da América: “Amigo é coisa pra se guardar no lado esquerdo do peito...”.

A vice-prefeita e viúva de Marcelo Déda Eliane Aquino disse que o Monumento é um presente não só para a família e os amigos, mas para toda a cidade. “Entregá-lo para a população é um momento de muita alegria. Queremos que essa obra dialogue com as atuais e com as futuras gerações. Que ele seja uma grande fonte de inspiração para quem está ou que deseja entrar na política. É o legado de um homem que lutou muito por sua terra e por seu país”, afirmou ao dizer que, ao inaugurar o monumento, tem a sensação de dever cumprido e que deve isso ao empenho do governador Jackson Barreto.

O senador Humberto Costa veio prestigiar a inauguração do Monumento de Marcelo Déda e disse que é um momento de muita alegria para quem é amigo dele. Humberto Costa também é compadre de Déda por ter batizado o seu filho João Marcelo. “Considero Déda um dos maiores políticos que tivemos em nosso país. Um orador sem dúvida inigualável e um político preocupado com as condições de vida do seu povo, com a democracia, a liberdade e a boa aplicação dos recursos públicos. Isso é muito relevante para nós num tempo tão difícil como vivemos hoje”, afirmou.

O ex-governador Jaques Wagner disse que veio participar da inauguração como forma de prestar a sua homenagem ao amigo Marcelo Déda. “Déda era um político fantástico. Tinha uma capacidade de dialogar com os adversários. Era um poeta na política, adorava fazer discurso falando de poesia. Me lembro dele, já doente, no Palácio do Planalto, fez um discurso num evento que foi algo memorável. É uma pessoa diferenciada, uma alma enorme, um homem preparado, sempre trabalhou muito. Vim aqui prestar essa homenagem. Sempre tive muito carinho, muito respeito pela verdade que ele sempre foi”, ressaltou.

Visivelmente emocionado, o prefeito Edvaldo Nogueira afirmou que Marcelo Déda foi um grande amigo de mais de 30 anos e um aliado político em que teve uma convivência muito grande. Ele lembrou que entraram juntos, em 1979, na Universidade Federal de Sergipe, Edvaldo fazendo Medicina e Déda Direito e talharam no movimento estudantil a carreira política de ambos, além de consolidaram uma grande amizade.

Edvaldo reconheceu que Marcelo Déda foi o mais brilhante de sua geração. “Tinha uma vasta cultura, mente inquietante, falava com propriedade sobre qualquer coisa. Tinha uma sagacidade política e era comprometido com os que mais precisavam. Era um homem de posição, de partido e nunca abriu mão de suas ideias”, destacou.

A jornalista Iasmim Déda, filha de Marcelo Déda, considera a homenagem ao seu pai de grande importância para a população. “Meu pai exerceu diversos cargos públicos e deixou um legado que agora está materializado com essa obra para a população aproveitar. Não é uma coisa distante, está no meio de um parque em que a população terá acesso para conhecer a história dele, as crianças brincarem na fonte. É um monumento vivo em que as pessoas podem interagir e conhecer um pouco da história dele”, afirmou.

O presidente do Instituto Banese, Ézio Déda, discorreu sobre o monumento, relatando que ele é um espaço de reflexão e contemplação.

Monumento

Sob as árvores que ele plantou junto com Eliane Aquino foram depositadas as suas cinzas e também colocada uma cápsula do tempo com uma pequena biografia dele. À sombra dessa árvore, foi erguida uma estátua, onde ele está sentado num banco e tem às mãos uma representação do jornal ‘A Semana’, de Simão Dias.

Entre as árvores que receberam parte das cinzas do governador, foi implantado um espelho d’água e um grande disco que traz gravado em granito o mapa de Sergipe. Uma nascente foi colocada em cima da localização do município de Simão Dias, terra natal de Marcelo Déda.

Ao redor do espaço do espelho d´água há 53 estrelas, que representam os anos vividos por Déda. Combinadas com o azul escuro do céu, as estrelas acenderão à noite. Embaixo do grande disco, ao centro do monumento, luzes de led darão efeito de que o ambiente estará flutuando em consonância com o toque do vento.

Ao fundo do monumento estão seis painéis, cinco representam cada década vivida por Déda, desde o seu nascimento até o seu falecimento em dezembro de 2013. Os painéis contam informações biográficas do ex-governador.

No meio desses painéis, um poema foi cravado como lembrança da oratória e dos discursos marcantes do ex-governador. Assim como o grande disco, o local também recebeu lâmpadas de led que possibilitarão a contemplação do espaço à noite.

O monumento foi erguido atendendo os critérios de acessibilidade, com duas rampas laterais. O espaço em homenagem a Marcelo Déda terá uma escadaria principal. No local, as pessoas poderão se refrescar com a água potável que escorre da fonte.

Duas árvores - Pau-Brasil e Ipê - plantadas pelo governador Marcelo Déda e por sua viúva, complementam o monumento. Uma terceira árvore, que fica ao lado, recebeu as cinzas do ex-senador José Eduardo Dutra, falecido em 2015.


Da ASN



23-07-2018
 

 

 

Resultados - Eleições 2016

 

Setransp

 

 

Parceiros
TPM

 

Tudo Salvo

 

 

Fazer o Bem

 

Ciclo Urbano

 

Adjor

 

Sindjor

 

 

Twitter