Na Política

Biblia Online

31/10/09 | 22:37h (BSB)

Rosário entre o progresso e o terror do atraso

Por Márcio Rocha

 

Em Rosário do Catete anda se espalhando o clima de terror vindo por parte do grupo político que foi derrotado mais uma vez. Depois de perder a eleição para a vontade popular que fora sacramentada nas urnas, o grupo está com práticas baixas contra o prefeito Etelvino e o ex-prefeito Laércio Passos.

 

Falando de assuntos que já foram acabados com o voto popular que elegeu o prefeito Vino, sucessor de Laércio Passos como o homem que tinha a sua confiança e era sabido pela população que iria continuar o trabalho de desenvolvimento da cidade de Rosário do Catete, rumo ao progresso.

 

O progresso alcançado durante os últimos anos é notado na cara nova que a cidade adquiriu com as obras implantadas por Laércio enquanto prefeito da cidade que é vista como uma das mais bem administradas em Sergipe.

 

A gestão de Passos à frente do município foi colocada entre as melhores do Brasil, por ter sido feita com compromisso com os cidadãos rosarenses, trazendo obras, pagamento dos servidores em dia e tratamento digno para o usuário dos serviços públicos aplicados pelo município. Além de programas sociais que beneficiaram mais de mil famílias na cidade, que tiveram sua renda aumentada.

 

Se a administração exercida por Laércio Passos fosse ruim, não haveria sido levado à prefeitura pelo povo, o atual prefeito Etelvino, sucessor de Laércio em seu trabalho vitorioso. A oposição estava com seu candidato Wagner Quintela, dizendo que a eleição já estava ganha, espalharam diversas notícias mentirosas pela cidade, tentando denegrir a imagem do então prefeito Laércio. O resultado das ações caluniosas e de violência contra o ex-prefeito foi a vitória esmagadora de Vino nas eleições de 2008, quando o povo mostrou que o trabalho de desenvolvimento da cidade de Rosário veio pra ficar, no lugar do atraso em que a cidade viveu por muitos anos antes de 2004, quando a administração progressista de Passos deu uma nova face à cidade, que passou a ser referência administrativa na região.

 

Ao invés de deixar o prefeito Etelvino governar, o grupo liderado por Wagner Quintela continua praticando as atitudes que sempre foram sua característica: difamar, mentir e tentar destruir a imagem do atual prefeito. Em vez de se prepararem para enfrentar a próxima eleição, continuam com o clima de campanha, tentando criar um terceiro turno na cidade. A eleição passou há um ano e a oposição parece não entender isso. Agora acusam o prefeito Etelvino de coisas que estão sendo investigadas pela justiça e que serão julgadas de forma clara à população, característica do Poder Judiciário, que investiga as denúncias para poder sacramentar a verdade. Espalharam pela cidade que o ex-prefeito está ligado ao Judiciário, dizendo que a justiça está comprada. Como poder ser comprado o poder que é capaz de destituir quem foi corrupto e quem o corrompe?

 

A justiça jamais poderá ser desafiada por qualquer político, pois quem a enfrenta, perde. A consciência cidadã do povo rosarense sabe que as afirmações do grupo de oposição são mentirosas e confia no Poder Judiciário, que saberá tomar a decisão correta em relação à vontade popular, não aos interesses de pequenos grupos de pessoas insatisfeitas. Não serão afirmações mentirosas que irão desestabilizar a administração do prefeito Etelvino. Quem tentou duvidar da justiça, foi justamente o ex-prefeito Wagner, que acusou a justiça de esconder urnas e ficar sem contar votos após a eleição. Até pessoas para mentir para a Justiça, está aí a Polícia Federal como testemunha, foram chamadas por Quintela.

 

Tudo ficou provado ser improcedente contra o resultado da eleição, a justiça apenas fará o seu papel de checar as provas e dar o resultado com base na verdade. Quando procurado, o ex-prefeito Laércio afirma que Vino não será cassado, pois é a sua crença na justiça que garante a sua palavra. Ninguém deseja afrontar o Poder Judiciário, mas mostrar que confia na balança da justiça e impedir que o clima de terror implantado pela oposição, possa desestabilizar a administração municipal.

 

Em Rosário, na época de Wagner Quintela como prefeito, a população sabia bem o que era a prática corruptiva, pois não se poderia admitir que as crianças tinham que ir para a escola, transportadas em caçambas de lixo, expondo as crianças à várias doenças em uma situação humilhante, vexatória e degradante para o futuro da nossa cidade. O mesmo lixo que deveria ser recolhido pelas caçambas que transportavam as crianças, estava espalhado pela cidade, o que mostrava a qualidade do então prefeito, ao pouco se preocupar com o estado de conservação da cidade em que não vivia, apenas dizia governar. As mesmas crianças que representam o futuro de Rosário do Catete estavam com as escolas sem merenda, e quando tinha, os alimentos eram trocados por outros de qualidade péssima, não sendo dado o que era de direito e de qualidade aos alunos.

 

Quatro meses sem salário, o que é isso para o servidor? É o retrato do verdadeiro desespero de um pai de família e do descaso com o funcionário público, pois esta era a prática de Wagner Quintela, quando prefeito de Rosário. Deixando servidores passarem fome, por não ter o seu pagamento em dia, deixando diversas famílias sem esperança e desesperadas, batendo nas portas dos amigos para poder ter com o que se alimentar. Atrasar pagamento é prática suspeita, pois a prefeitura recebe mensalmente repasses para garantir sua existência e manutenção do seu funcionalismo.

 

 

Na mesma época, quando o pagamento dos funcionários era feito, havia o desconto referente a uma cesta básica, não foi esta cesta usada para salvar o funcionário, quando este passava fome com os salários atrasados. A fome levou um funcioário a um ato desesperado para chamar a atenção de Quintela, que não tinha interesse em ver os servidores em condições de trabalho, cortar os quatro pneus do seu carro, para poder lembrar que ele era prefeito da cidade e que os funcionários estavam em condições precárias.

 

O mesmo Wagner Quintela, que deixou as crianças com fome nas escolas e os funcionários humilhados, não tinha sentimento de humanidade com os moradores da cidade. A prefeitura tem obrigação de dar assistência social aos cidadãos, quando um morador foi pedir um caixão para enterrar o filho que morreu, recebeu do prefeito a reposta que jamais imaginaria ouvir de um agente público. Mandou que este enterrasse o filho em uma caixa de sapato, pois não era de seu interesse.

 

 

Quintela, o mesmo prefeito que transferiu a administração pública para a sua casa, para despachar poucos dias em que ia à cidade, é o prefeito que licitou, pagou e não construiu a pista de vaquejada de Rosário, é o mesmo que fechou o balneário rosarense, é o mesmo que não realizou uma única obra na cidade. É este o homem que contesta a vontade popular e tenta colocar o povo, que conhece e vive a verdade contra o atual gestor?

 

 

Estão tentando colocar a população contra a administração, tentando colocar a justiça contra o ex-prefeito Laércio Passos. O clima de terror está sendo espalhado em Rosário, mesmo com as eleições limpas e mostradas de forma clara, com o resultado que foi escolhido pelo povo. Todavia, se houver vontade da justiça em exercer uma nova eleição, o grupo que esteve no comando e representa o atraso poderá enfrentar o homem que iniciou o processo de mudança para o progresso da cidade. Laércio poderá disputar uma eleição, e disto, o ex-prefeito Quintela não poderá correr.

 

 

P.S. Este texto representa a opinião do seu autor, não sendo necessariamente a do portal.



27-05-2018
 

 

 

Resultados - Eleições 2016

 

Setransp

 

 

Parceiros
TPM

 

Tudo Salvo

 

 

Fazer o Bem

 

Ciclo Urbano

 

Adjor

 

Sindjor

 

 

Twitter